OPI

Uma oferta pública inicial, ou OPI, pode ser uma excelente oportunidade para os investidores comprarem ações de uma empresa quando esta abre o capital ao público. É a primeira oportunidade para muitos investidores obterem uma parte de algumas das empresas privadas mais interessantes que decidiram abrir o capital ao público.

O que é uma OPI?

Uma OPI, também conhecida como emissão ou admissão à cotação na bolsa de valores, ocorre quando uma empresa privada vende novas ações aos investidores públicos. Trata-se de uma forma de angariar capital para financiar o crescimento e a inovação, e também permite que os atuais investidores colham frutos do apoio que prestaram à empresa durante a sua fase de arranque.

Até este ponto, a empresa é detida de forma privada pelos seus fundadores e, eventualmente, por pessoal ou investidores iniciais aos quais foram atribuídas ações.

GUIA PARA OPI

Como é efetuada uma oferta pública inicial?

Uma empresa que pretenda abrir o seu capital ao público deve cumprir determinados critérios estabelecidos pelo regulador do mercado nacional, por exemplo, a Securities and Exchange Commission (SEC), nos Estados Unidos. As empresas também podem escolher a bolsa de valores na qual pretendem ser admitidas à cotação, por exemplo, a New York Stock Exchange (NYSE) ou o NASDAQ, e estas duas bolsas de valores têm os seus próprios requisitos.

As empresas necessitam da ajuda de um ou mais tomadores firmes para realizar uma OPI. Estes são bancos de investimento, como o Goldman Sachs, o Morgan Stanley e o JPMorgan, e são responsáveis pela preparação e comercialização da oferta pública inicial.

Frequentemente, os tomadores firmes assumem a totalidade do risco da OPI, comprando todas as novas ações emitidas pela empresa e vendendo-as posteriormente aos investidores públicos.

OPI: Apresentações e preços

Na fase de preparação de uma OPI, uma empresa emite um prospeto e organiza apresentações aos investidores em todo o país no qual está cotada, a fim de promover o interesse na emissão. O prospeto contém um intervalo para o preço-alvo a que as ações serão emitidas. Frequentemente, este intervalo é ajustado para refletir a procura do mercado à medida que se aproxima a estreia das ações da empresa na bolsa de valores.

Por vezes, a procura das ações da empresa antes da oferta pública inicial é tão intensa que a empresa decide emitir mais ações do que inicialmente previsto – normalmente, os tomadores firmes são autorizados a aumentar automaticamente o volume da emissão através de um número predefinido de ações, caso a procura assim o exija.

O que acontece se a procura for superior ou inferior ao esperado?

Embora o tomador firme compre as novas ações ao preço final da oferta pública inicial, a cotação pode abrir acima ou abaixo deste preço no primeiro dia de negociação. Se a empresa que está a abrir o capital ao público e os tomadores firmes tiverem sobrestimado a procura, estes últimos poderão ter de vender as ações a um preço inferior ao que compraram. Se a procura tiver sido subestimada, os tomadores firmes poderão vender as ações a um preço muito superior ao que compraram. No entanto, tal pode afetar a sua reputação, razão pela qual os tomadores firmes têm o incentivo de tentar vender as ações a um preço o mais próximo possível do preço da oferta inicial.

Qual é a diferença entre uma OPI e a admissão direta à cotação?

As empresas que não pretendam realizar uma oferta pública inicial podem optar pela admissão direta à cotação. Com uma OPI, a empresa que abre o capital ao público está a vender novas ações, cedendo mais uma parte do controlo da empresa. Uma admissão direta à cotação ocorre quando uma empresa permite que os seus acionistas atuais vendam as suas ações nos mercados públicos. Tal permite que os investidores iniciais colham frutos do apoio prestado à empresa e que esta seja transacionada publicamente sem ceder controlo através da emissão de novas ações. No caso de admissão direta à cotação, as empresas não necessitam de contratar tomadores firmes, poupando assim muito dinheiro em encargos. Tal significa igualmente que os atuais investidores podem vender as suas ações a um preço mais elevado.

Qual é a diferença entre uma OPI e a admissão direta à cotação?

As empresas que não pretendam realizar uma oferta pública inicial podem optar pela admissão direta à cotação. Com uma OPI, a empresa que abre o capital ao público está a vender novas ações, cedendo mais uma parte do controlo da empresa. Uma admissão direta à cotação ocorre quando uma empresa permite que os seus acionistas atuais vendam as suas ações nos mercados públicos. Tal permite que os investidores iniciais colham frutos do apoio prestado à empresa e que esta seja transacionada publicamente sem ceder controlo através da emissão de novas ações. No caso de admissão direta à cotação, as empresas não necessitam de contratar tomadores firmes, poupando assim muito dinheiro em encargos. Tal significa igualmente que os atuais investidores podem vender as suas ações a um preço mais elevado.

Posso investir em OPI?

Abra uma conta de negociação de ações para obter todas as informações mais recentes sobre as próximas OPI e como comprar ações das empresas que abrem o capital ao público.

Aderir à Markets.com

A Marketsi é a plataforma de investimento de vanguarda fornecida pela Markets.com. Como parte do Grupo TradeTech, que integra a Playtech, uma empresa cotada no FTSE 250, na Markets.com temos um conhecimento profundo dos mercados financeiros e uma incrível gama de recursos para aumentar continuamente a fasquia no mundo da negociação financeira.

Criar conta

CySEC (EU)

  • Os fundos dos clientes são mantidos em contas bancárias separadas
  • Compensação do Investidor pelo FSCS até 20 000 EUR
  • Proteção de saldo negativo

Produto

  • CFD
  • Negociação de ações
  • Quantranks

Markets.com gerida pela Safecap Investments Limited ("Safecap») Regulamentada pela CySEC, com o n.º de licença 092/08, e pela FSCA, com o n.º de licença 43906.

FSC (GLOBAL)

  • Fundos dos clientes mantidos em contas bancárias separadas
  • Verificação eletrónica
  • Proteção de saldo negativo

Produto

  • CFD
  • Strategy Builder

Markets.com, gerida pela TradeTech Markets (BVI) Limited ("TTBVI”) Regulamentada pela Comissão de Serviços Financeiros ("FSC") das Ilhas Virgens Britânicas, com o n.º de licença SIBA/L/14/1067.

FCA (UK)

  • Os fundos dos clientes são mantidos em contas bancárias separadas
  • Compensação do Investidor FSCS até 85 000 GBP. *dependendo dos critérios de elegibilidade
  • Proteção de saldo negativo

Produto

  • CFD
  • Spread bet
  • Strategy Builder

Markets.com gerida pela TradeTech Alpha Limited (“TTA”) Regulamentada pela Autoridade de Conduta do Setor Financeiro ("FSCA"), com o n.º de licença 607305.

ASIC (AU)

  • Fundos dos clientes mantidos em contas bancárias separadas
  • Verificação eletrónica
  • Proteção de saldo negativo

Produto

  • CFD

Markets.com, gerida pela TradeTech Markets (Austrália) Pty Limited ("TTMAU”) É titular da licença n.º 424008 dos Serviços Financeiros Australianos e é regulamentada na prestação de serviços financeiros pela Comissão de Valores Mobiliários e Investimentos da Austrália ("ASIC”).

FSCA (ZA)

  • Fundos dos clientes mantidos em contas bancárias separadas
  • Proteção de saldo negativo

Produto

  • CFD
  • Strategy Builder

Markets.com, gerida pela TradeTech Markets (África do Sul) (Pty) Limited ("TTMSA”) Regulamentada pela Autoridade de Conduta do Setor Financeiro ("FSCA"), com o n.º de licença 46860.

Selecionando um destes reguladores, será apresentada a informação correspondente em todo o site. Se pretender visualizar a informação relativa a outro regulador, selecione-o. Para mais informações, clique aqui.

        /var/www/html/wp-content/themes/markets/cfd-urls_1.json